ANÚNCIO e PROMOÇÃO HUMANA: dimensões essenciais da evangelização.

Claro para nós é que o serviço de evangelização, ao qual somos chamados, tem como momento fundamental o anúncio de Cristo e do seu Evangelho, revelação da vida trinitária para ser comunicada aos povos, para ser acolhida e vivida na história. Ao mesmo tempo, é também claro para nós que o anúncio da vida trinitária alcança o homem em sua realidade concreta, transformando-o a partir de dentro, elevando e revelando-lhe a sua dignidade de pessoa. A nossa atividade evangelizadora se configura então nestas duas faces: o anúncio explícito do Evangelho e o serviço de promoção humana.

Primeiro Anúncio

No capítulo V da Redemptoris Missio (RMi), “Os Caminhos da Missão”, se declara como elemento principal de toda a evangelização, o primeiro anúncio de Cristo salvador de todo homem. Em sintonia com o que João Paulo II afirmou na RMi, temos escolhido como “lugares privilegiados” da ação missionária, segundo a nossa especificidade ad Gentes, a periferia das grandes cidades. Trata-se das zonas mais pobres, privados de infraestrutura e de serviços de primeira necessidade, zonas de degradação social e marcados por problemas de vários tipos: desemprego, alta densidade demográfica, insalubridade... aos quais se somam a falta ou insuficiência de forças e estruturas eclesiais. Atualmente somos presentes no Brasil em Belo Horizonte e São Paulo, no Peru em Lima, na Costa do Marfim em Yopougon, no Porto Rico em Arecibo, no México em Texcoco, no Moçambique em Maputo.

Animação comunitária e missionária

Estamos disponíveis para um serviço de animação comunitária e missionária nas Igrejas locais. Como missionários, queremos anunciar às igrejas de cristandade antiga e à sociedade necessitada de reevangelização, a realidade dos 4 bilhões de pessoas que ainda não foram alcançadas pela Boa Nova do Evangelho e que, muitas vezes, coincidem com aqueles que vivem em situações de extrema pobreza. Também nos países de primeiro anúncio, oferecemos o mesmo serviço com a intenção de ajudar às jovens igrejas a responder ao apelo dos bispos reunidos em Puebla: “dar a partir da própria pobreza”.

Este serviço pretende contribuir para uma maior conscientização da universalidade da igreja, a fim de superar, nas Igrejas locais, a tentação do fechamento e da indiferença aos problemas da missão ad gentes. Procuramos renovar na comunidade cristã o ardor da fé, na esperança que algum cristão possa descobrir-se missionário. Ao mesmo tempo, isto nos permite suscitar nas pessoas escolhas de partilha, de solidariedade, de compromisso em favor dos que, longe ou perto, vivem, ainda hoje, em situações de extrema necessidade.

Entre as propostas estão:

- para as paróquias, um dia missionário, uma semana de animação comunitária e missionária, a acolhida de grupos paroquiais em nossos centros missionários;

- para as escolas, a educação aberta ao mundo, com o escopo de levar uma mensagem de solidariedade e partilha aos mais pobres.

Para uma nova evangelização

Nos tornamos disponíveis para a evangelização em suas múltiplas faces, entre as quais a nova evangelização dos cristãos em terras que perderam o dom da fé ou se afastaram da experiência eclesial.

Na Itália, em particular, a situação de indiferentismo religioso e secularismo generalizado tem nos provocado a procurar um estilo de anúncio missionário mais apropriado, na “expressão” e no “método”, às novas situações que estão sendo criadas. Assim, foi necessário um anúncio mais kerigmático, feito com uma metodologia participativa e de comunhão, que leve aos cristãos “mornos” a fazerem uma experiência alegre de Igreja e, assim, a colaborar com as atividades missionárias eclesiais. Nasceram assim:

- os finais de semana de evangelização para jovens (Jeshuá), para adultos (Emaús), para casais (Caná) durante os quais os leigos se fazem evangelizadores, transmitindo aos participantes de forma contagiante o amor de Deus que os alcança, na escolha de um amor universal.

- o projeto de evangelização comunitária e missionária (ECM), para que os agentes de pastoral, redescobrindo-se sempre mais sujeitos da evangelização e protagonistas na edificação da Igreja, se abram aos que se encontram fora, longe da vida eclesial e paroquial.

Serviço aos pobres no território italiano

Novas categorias de pobres e novas formas de pobreza estão surgindo na Itália como em outros países do mundo: hoje, os pobres tem o rosto dos imigrantes, das mulheres envolvidas no tráfico de prostitutas, dos encarcerados, dos que vivem em condições sub- humanas nas periferias das cidades. Os Institutos missionários, a Cáritas e Migrantes, acompanham com atenção estes fenômenos intervindo a favor dos últimos, salvaguardando os imigrantes (acolhida, situação jurídica, trabalho, casa, serviço social), ajudando os fiéis e a comunidade cristã a não se deixar envolver em uma mentalidade de egoísmo, de medo, de prejuízo, de rejeição. Como CMV estamos nos deixando interpelar pelo desafio destas novas situações sócio-religiosas-econômicas e começamos algumas iniciativas de serviço de evangelização ad intra de promoção humana aos “vizinhos” pobres. Na diocese de Nola e de Pordenone temos acolhido alguns imigrantes provenientes da África... na diocese de Rovigo, de Nápoli e de Pordenode, alguns missionários e membros agregados prestam serviço aos encarcerados. Em particular em Rovigo, temos iniciado o curso Alpha.